Qualquer grama a mais de algum componente em medicamentos manipulados pode se tornar um risco para a vida do consumidor. Para garantir a qualidade dos produtos das 175 farmácias de manipulação de Curitiba e a segurança do consumidor, que pede mais de 400 formulações por dia, a Secretaria Municipal da Saúde realiza hoje a primeira audiência pública do programa de avaliação sanitária Pasfarma, que começou a ser implantado no final de junho.

Esta será a 17.ª audiência pública de vigilância sanitária desde o ano passado. O programa é inspirado em outros, como o Pasves (estabelecimentos de saúde) e o Visacorp (salões de beleza, academias e estúdios de tatuagem).

A reunião será às 8h30 no auditório do Mercado Municipal, e servirá para que representantes da classe tirem dúvidas sobre a atuação da vigilância sanitária. “Amanhã informaremos como as empresas serão fiscalizadas e vamos discutir os problemas que estamos encontrando”, explica o diretor do Centro de Saúde Ambiental, Sezifredo Paz.

Em 2010 já foram realizadas 59 vistorias em farmácias de manipulação de Curitiba. Foram licenciados 28 empresas, 24 foram autuadas para fazer algum tipo de adequação e sete foram interditadas parcial ou totalmente. As principais irregularidades estão na calibração do aferimento dos produtos, higiene e prazo de validade de formulações e matérias-primas. “São produtos que precisam de alta precisão na formulação, já que se manipula quantidades muito pequenas de substâncias que têm efeito muito forte no organismo, como psicotrópicos e hormônios”, lembra o diretor.

Para Sezifredo, as autuações não significam falta de qualidade nos estabelecimentos, mas sim a necessidade de padronização das inspeções.