A Secretaria de Estado de Segurança Pública determinou nesta semana uma rigorosa investigação sobre todos os convênios firmados pelo governo anterior com 87 municípios do Estado para a construção, reforma, reparo e ampliações de delegacias de polícia de todo o Paraná. “Identificamos vários convênios com indícios de irregularidades e com suspeitas de desvio de verbas públicas”, afirmou o diretor-geral da secretaria e secretário em exercício, Marco Antônio Berberi. Os convênios totalizam um valor de quase R$ 4 milhões, incluindo R$ 2,3 milhões em verbas federais.

De acordo com Berberi, a investigação também será feita pela Secretaria de Estado de Obras Públicas, que verificará se os convênios estão sendo executados em todo o Paraná. Segundo levantamento da Secretaria de Segurança, um exemplo de irregularidade ocorreu no 7.º Distrito Policial (Vila Hauer) da capital, onde havia uma reforma prevista em convênio firmado em 2001 para cimentar 1,5 metro de concreto na rede de esgoto para evitar fugas. “Verificou-se que não foi feita esta reforma”, afirmou o delegado-geral da Polícia Civil, Adauto Abreu de Oliveira. Em virtude da não realização desta obra, sete presos fugiram, justamente por aquela rede de esgoto, no dia 20 de junho.

Além desse convênio, o governo também está examinando o termo firmado para a reforma do Centro de Triagem de Curitiba, outro que está sob suspeita e análise das duas secretarias. Há ainda indícios de irregularidades nos convênios firmados com São José dos Pinhais, Itaperuçu e Itapejara do Oeste. “Designamos um funcionário para fazer laudos sobre todos estes convênios. Há alguns dias constatou-se irregularidades em vários convênios”, disse Berberi.