Foto: Aliocha Maurício

Moradores do litoral reclamam da paralisação de obras para desobstrução do leito.

A falta de dragagem no canal de Matinhos, no litoral do Paraná, está trazendo problemas aos moradores da região. Há três meses e meio, as obras da Prefeitura para a desobstrução do leito foram paralisadas, a pedido, Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e da Superintendência de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental (Suderhsa). Os órgãos ambientais exigem um projeto para a retirada de areia do local e a construção de taludes, uma espécie de muro, nas margens, para delimitar o caminho do rio.

Uma das conseqüências da não-realização da dragagem foi a alteração do caminho da água no canal, que retomou seu curso anterior e agora desemboca na esquerda da praia, ao invés de seguir em linha reta para o mar.

De acordo com o aposentado Antônio da Silva, morador antigo do município, o novo curso deixa a praia com um jeito de desprezo. ?É triste principalmente para gente que nasceu e se criou aqui. Parece que ninguém cuida, não é? Vai prejudicar principalmente para o turista que vem passar a temporada?, disse.

Segundo ele, outro problema é que o novo curso do canal está afetando alguns moradores, já que houve erosão na área. ?Antes, era feito da maneira certa. Mas depois, a Prefeitura passou a tirar a areia daqui pra fazer aterramento em outras áreas. Então mandaram parar?, explicou. No local, o novo curso do canal já derrubou um poste e deixou aparentes algumas tubulações de água e esgoto.

Denúncias

Sobre o problema, o chefe regional do IAP em Paranaguá, Reginato Bueno, explicou que a suspensão foi determinada porque a Prefeitura de Matinhos estaria retirando a areia do local sem depositá-la no local correto, que é na margem esquerda do canal. ?Recebemos várias denúncias de que a areia estaria sendo utilizada para outros fins. Então, encaminhamos um ofício à Prefeitura pedindo a parada das obras e a elaboração de um cronograma para a correção dos taludes?, afirmou. O chefe disse acreditar que as duas medidas impedirão um novo entupimento do canal.

Outro lado

De acordo com o secretário de Obras e Urbanismo de Matinhos, Luiz Carlos Vanalli, não há verba disponível no momento para cumprir as exigências dos órgãos ambientais. Segundo ele, grande parte da areia retirada na desobstrução estava sendo colocada na margem esquerda do canal. ?Estamos pleiteando o dinheiro para as obras, mas ainda não há nada certo?, explicou. Para o secretário, a situação pode piorar e até gerar alagamentos no local. ?Estamos aguardando até que aconteça alguma coisa pra ver quem vai explicar isso. Nós abrimos o canal por necessidade e não por brincadeira?, contou.