Servidores da Justiça do Paraná fizeram ontem uma manifestação pacífica em frente ao Tribunal de Justiça (TJ), para reivindicar, entre outros assuntos, o pagamento de uma diferença salarial de 11,98% referente aos últimos 13 anos. Segundo o Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado do Paraná (Sindijus), o montante se refere à mudança da moeda para Unidade Real de Valor (URV), em 1994. Durante a manifestação, os trabalhadores distribuíram panfletos informativos para a população.

O coordenador-geral do Sindijus, José Roberto Pereira, explicou que a reivindicação foi apresentada para o presidente do TJ, desembargador Vidal Coelho, no começo do mês. Segundo Pereira, no último dia 24, Coelho teria dito que havia dúvidas a respeito do valor e que o TJ iria fazer uma nova avaliação do caso. ?Eles estão em dúvida se esse é o valor correto, mas então porque é que os juízes e os desembargadores já receberam essa mesma quantia em 1998??, indagou Pereira. A reportagem de O Estado entrou em contato com a assessoria do TJ, que informou que ainda não há uma posição do órgão sobre o assunto.

Os servidores vão dar continuidade às manifestações no dia 4, quando haverá uma paralisação de advertência de 24h. No dia 13, eles pretendem realizar uma nova assembléia para avaliar as negociações. As outras reivindicações são melhores condições de trabalho, contratação de cerca de 900 servidores aprovados em concurso – o TJ já anunciou que vai contratar 375 em setembro – e o não-fechamento do centro médico do TJ. Os servidores da Justiça abrangem os trabalhadores do TJ, dos fóruns e cartórios de todo o Estado. Ao todo, são cerca de 3,5 mil trabalhadores no Paraná.