Cerca de 80 servidores da saúde de Almirante Tamandaré saíram em passeata na manhã de sexta-feira (4) em protesto contra o corte do adicional de insalubridade do salário recebido no dia 30 do mês passado, véspera do Dia do Trabalho. Em nota, o prefeito Vilson Goinski (PMDB) anunciou que o sistema gerou automaticamente 20% de ganho por insalubridade no pagamento de todos os servidores da saúde no mês passado, por causa da implementação de novo plano de carreira. Segundo a nota, esse índice é variável e sem critérios pelo sistema, por isso, a prefeitura realizou os cortes.

Segundo a presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Almirante Tamandaré (Simprosmat), Benedita Isabel dos Santos, que também é da área da saúde, a reivindicação é que a prefeitura devolva o adicional de insalubridade calculado em 20% sobre o salário básico de cada categoria profissional. “O problema é que o prefeito está calculando o adicional de 10% e sobre o salário mínimo do governo federal de maneira igual para todas as categorias, sem critério nenhum ou avaliação técnica”, explica.

Greve

Uma comissão de comando de greve dos servidores vai se reunir novamente na terça-feira com a administração municipal em busca de resposta em relação à proposta de reajuste e ressarcimento dos valores da insalubridade do mês de abril. “Caso a resposta deles seja negativa, entraremos em greve já na terça e a partir daí terão que discutir também outros desmandos pendentes”, ameaça Benedita.

Perícia vai apontar percentual

O prefeito avisou que irá retomar o pagamento de 20% em cima do piso dos servidores a partir do próximo pagamento e, em seguida, será realizada perícia. “Se o percentual for maior que 20%, o valor será restituído retroativamente, e caso contrário, se for inferior a 20%, deverá ser  devolvido pelo servidor”, informa a nota.