Servidores da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) e de órgãos relacionados (Instituto Ambiental do Paraná, Instituto das Águas do Paraná e Instituto de Terras, Cartografia e Geociências) entram em greve por tempo indeterminado a partir de segunda-feira. A categoria pede o cumprimento de lei estadual sancionada em novembro, que institui o reajuste da Gratificação pelo Exercício de Encargos Especiais (Geee). Segundo a categoria, a implantação do benefício foi prometida para a folha de pagamento em janeiro e o retroativo a dezembro seria pago em folha complementar no início deste ano, o que não ocorreu.

A data de início da paralisação foi definida em assembleia na manhã de ontem. Será mantido apenas 30% do efetivo para trabalhos essenciais, como o atendimento de cargas perigosas. “Setores como licenciamento ambiental, fiscalização, produção de mudas e monitoramento de parques e reservas florestais serão afetados com a paralisação”, comenta Elci Terezinha Veiga Costa, presidente do Sindicato Estadual dos Servidores Públicos da Agricultura, Meio Ambiente, Fundepar e Afins (Sindiseab). “O governo alega que não paga por causa da Lei de Responsabilidade Fiscal (limita gastos com pessoal)”, afirma.

Mobilização

A mobilização da categoria começou no ano passado, com duas paralisações dos servidores, que reivindicam o mesmo tratamento dado a funcionários públicos estaduais de outros órgãos. A Sema informou que a reivindicação é justa e as secretarias da Fazenda e da Administração estão fazendo o máximo para implantar a lei o mais rápido possível.