Os servidores públicos de Curitiba prometem fazer hoje uma manifestação na Boca Maldita, no centro da cidade, para protestar contra os 5% de aumento que a Prefeitura anunciou que vai dar de reajuste salarial este ano. O Sindicato dos Servidores Municipais de Curitiba (Sismuc) está pedindo 17,33%. Ainda não há indicativo de greve. A diretoria do Sismuc deve se reunir para negociar com representantes da Prefeitura na próxima segunda-feira.

?Nós vamos realizar um ato porque os 5% não cobrem as nossas perdas. Queremos mostrar à população qual é a real situação e porque estamos pleiteando este aumento?, afirmou a diretora de assuntos jurídicos do Sismuc, Marilena Silva. Depois de se reunir com membros da Prefeitura na próxima segunda-feira, os servidores farão uma assembléia geral, na terça-feira, para decidir se haverá greve. A pauta de reivindicações dos servidores municipais é extensa e inclui sete itens com vários pedidos em cada um deles.

A Prefeitura esclareceu que os 5% representam aumento real, já que a inflação dos últimos 12 meses foi de 3,12%. Os 30 mil servidores ativos e inativos vão receber o aumento em uma única parcela. O aumento de 5% representa um acréscimo mensal de R$ 3,57 milhões na folha de pagamento da Prefeitura de Curitiba.

Educadores

Os educadores dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) também estão reivindicando aumento salarial há quase dois meses. Eles tinham marcado uma greve para ontem, entretanto decidiram esperar por novas negociações. Eles pedem aumento de 72% no piso mínimo. ?Vamos continuar com as negociações. A ameaça de greve aconteceu porque queríamos reabrir o canal de negociação?, explicou Marilena.

No último dia 5 de março, a Prefeitura enviou à Câmara Municipal uma mensagem concedendo gratificações que variam de 10% a 30% para os educadores. Apesar do aumento, o Sismuc argumenta que a gratificação não atinge todos os educadores e não pode ser considerada aumento salarial porque não vale para fins previdenciários e, por isso, não continua incorporada ao salário quando o funcionário se aposenta.