Sete ônibus foram alvo de vandalismo depois do Atletiba deste domingo (7). Os danos – 11 vidros quebrados – foram menores se comparados com o vandalismo registrado em jogos anteriores.

Em outubro do ano passado, o saldo do Atletiba para quem usa o transporte coletivo foi de 28 ônibus depredados, número que só perdeu para o que foi registrado em 6 de dezembro, no jogo Coritiba e Fluminense, quando a depredação atingiu, além do próprio estádio, 34 ônibus.

Os estragos deste domingo foram registrados nas linhas Vila Prado; Santa Cândida/Capão Raso; Fazenda/Pinheirinho; Tamandaré/Cabral; Fazendinha/PUC e em uma linha especial de reforço. À exceção da linha de reforço (às 16h) e da Tamandaré/Cabral (11h), todos os demais atos de vandalismo ocorreram entre 22h50 e 23h45.

As duas ocorrências mais graves foram no Terminal Capão Raso e em um ponto da Isaac Ferreira da Cruz.
No Capão Raso um ônibus da linha Santa Cândida teve dois vidros quebrados – um de janela e um de porta – e uma de janela de emergência deslocada. Na Isaac Ferreira da Cruz o ônibus da linha de reforço para o futebol teve dois vidros de janela e um da porta quebrados. Os outros registros ocorreram nas avenidas Anita Garibaldi e João bettega; e na rua Francisco Kruger.

Todos os ônibus que tiveram vidros quebrados ou deslocados foram consertados à noite, entrando em operação normalmente pela manhã.

A Guarda Municipal de Curitiba atendeu 10 ocorrências depois do Atletiba, incluindo tumulto, vandalismo, desordem e brigas.