O Sindicato das Classes Policiais Civis do Paraná (Sinclapol) vai denunciar ao Ministério Público Estadual (MP) as unidades policiais com agentes em desvio de função. A ação faz parte da operação padrão que os policiais civis do Paraná iniciaram na semana passada, uma alternativa à greve proibida pela Justiça.

O presidente do Sinclapol, André Gutierrez, explica que manter um policial em desvio de função – por exemplo, um investigador que tem que fazer a guarda de presos em delegacias – contraria o Estatuto da Polícia Civil do Paraná. “É um retrocesso, uma irresponsabilidade”, afirmou.

O Sinclapol entrou com um agravo de instrumento junto ao Tribunal de Justiça do Paraná (TJ) para tentar reverter a proibição da greve, mas até agora não há resposta.