O Fórum das Entidades Sindicais dos Servidores Estaduais, que reúne 15 sindicatos de diferentes categorias, vai lançar até o final deste mês uma campanha para o reajuste salarial para todos os trabalhadores na data-base de 1.º de maio.

A entidade quer que o governo do Paraná repasse aos servidores, nesta data, pelo menos a reposição da inflação no período entre abril de 2007 e maio de 2008. No ano passado, as perdas no salário foram compensadas em datas diferentes. São 180 mil servidores em todo o Estado, segundo a entidade.

O coordenador do fórum, Heitor Raymundo, explica que os detalhes da campanha salarial unificada ainda estão sendo discutidos entre os sindicatos, mas uma pauta de reivindicações já foi entregue à Secretaria de Estado da Administração e Previdência.

O fórum aguarda o agendamento de uma reunião para definir a reposição a ser paga no início de maio para todos. A campanha salarial unificada não impede que cada categoria, de maneira independente, peça aumento real ou faça outros pedidos ao governo do Estado.

A mobilização quer evitar situações como a que pode acontecer com os policiais militares. Um projeto para revisão de salários da categoria, ainda sem muitos detalhes, está sendo discutido entre as secretarias de Segurança Pública e Administração, conforme mostrou O Estado no último dia 20. O projeto beneficiaria somente o alto escalão da corporação.

O presidente da Associação de Defesa dos Policiais Militares Ativos, Inativos e Pensionistas (Amai), coronel Elizeu Ferraz Furquim, comenta que existe um desagrado entre os policiais por conta do projeto.

“A solidariedade é algo presente na corporação e quando há aumento diferenciado, deixa-se vazios que deverão ser administrados posteriormente. Ainda não se sabe o que vai acontecer. É um projeto às escuras”, afirma.

De acordo com ele, a solução para os salários da PM é o cumprimento da Emenda Constitucional 19, à Constituição Brasileira, que prevê o subsídio como forma de remuneração.

“Isso equalizaria os salários e não haveria mais problemas”, comenta Furquim. A Amai ingressou no mês passado na Justiça pedindo que o governo do Estado respeite a emenda constitucional.

A Secretaria de Estado da Administração e Previdência comunicou que ainda não marcou a data para a reunião com representantes do Fórum das Entidades Sindicais dos Servidores Estaduais. A secretaria, por meio de assessoria de imprensa, não quis opinar sobre a proposta feita pelos servidores, informando que isso ainda será discutido.