O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), está fazendo uma denúncia grave contra duas empresas que operam no transporte coletivo na Grande Curitiba.

O Sindimoc acusa a empresa Leblon de apropriação indébita até outubro de um total R$ 102.722,00, enquanto a Nobel, outra empresa que atua no transporte, teria se apropriado R$ 137.054,91, conforme denuncia o Sindimoc . O sindicato está pedindo a prisão dos proprietários e está cobrando estas importâncias na Justiça do Trabalho, através de ações protocoladas na terça (17) e vai protocolar na tarde desta quarta-feira (18) notícia-crime na Delegacia da Polícia Civil.

Outra denúncia grave é a apropriação indébita de valores relativos a empréstimos consignados. Dezenas de trabalhadores já procuraram o Sindimoc para relatar o desvio. As empresas Nobel e Leblon descontam os valores de empréstimos consignados dos trabalhadores e não repassam para os agentes financeiros que concederam os empréstimos (bancos e financeiras), causando o cadastro dos funcionários em organismos de proteção ao crédito (como Seproc e Serasa), e todos os transtornos e danos morais decorrentes desse cadastro.

Outro lado

Pagamento foi realizado hoje, garantem controladores das empresas

No início da tarde desta quarta-feira, a assessoria de imprensa do Grupo Lebon, que controla as empresas, distribuiu uma nota com o seguinte teor:

O Grupo Leblon Transporte de Passageiros, que reúne as empresas Leblon e Nobel, esclarece que realizou integralmente, na tarde desta quarta-feira, 18 de novembro de 2015, os repasses referentes à mensalidade associativa que tinham sido descontados em folha de pagamento, não havendo, portanto, mais débitos.

Quanto ao Fundo Assistencial e à Assistência Médica Ambulatorial, já foram quitadas integralmente, também nesta tarde, as parcelas referentes ao período entre maio e julho. Os pagamentos referentes ao período entre agosto e outubro vão ser realizados com prioridade nas próximas semanas.

A Leblon e Nobel enfatizam que não é verdadeira a informação de que houve atrasos nos pagamentos de vales e salários, que estão sendo honrados em dia, mesmo diante do quadro delicado da economia brasileira e das dificuldades enfrentadas pelas empresas de transporte de Curitiba e Região Metropolitana após a desintegração financeira da RIT – Rede Integrada de Transporte.