Walter Alves
O BPTran realizou uma blitz ontem na CIC.

O motoboy Donizete Dias transitava normalmente pela Rua Pedro Gusso, na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), na tarde de ontem, quando foi surpreendido por uma blitz do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran) e teve sua moto aprendida porque estava sem o licenciamento obrigatório. A operação só foi feita graças ao sistema informatizado que utiliza câmeras acopladas a um computador, no qual o Reconhecedor Ótico de Caracter (OCR) faz a leitura da placa e verifica irregularidades do veículo e do motorista num banco de dados. No Paraná há o registro de 4 milhões de veículos, dos quais 12% tem algum tipo de restrição.

Donizete ficou revoltado por ter sua moto apreendida, mas o reflexo do novo sistema para o serviço das polícias Militar e Civil é muito bom. O equipamento é usado pelo BPTran e pela Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV) há um ano.

Conforme o aspirante Cristiano Oliveira, do BPTran, as blitze do batalhão são realizadas em pontos estratégicos duas vezes ao dia. Além do equipamento fixo, há a versão móvel do OCR. Instalado num veículo à paisana, ele percorre as ruas do bairro onde está sendo realizada a operação e faz o mesmo trabalho de leitura das placas. O aspirante salientou que 80% dos carros apreendidos estão com problemas de licenciamento. “Mas os demais procedimentos de uma blitz normal também acontecem, como a verificação da carteira de habilitação, do equipamento obrigatório, etc”, salientou, destacando que quando há irregularidades o veículo é levado ao pátio do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR). No caso de licenciamento vencido, a infração é gravíssima, dá uma punição de sete pontos e multa de 180 ufirs.

Sistema paranaense

Um dos engenheiros responsáveis pela criação do sistema é Marcelo Kaluf. Ele contou que somente de janeiro até maio deste ano foram aprendidos com o sistema móvel 58 veículos furtados, oito com placa irregular, catorze clonados e 23 que estavam sendo procurados pela Justiça. Em uma ano de fiscalização, já foram encontrados 16 mil veículos sem licenciamento. “São disponibilizados para a Secretaria de Estado da Segurança Pública vinte equipamentos, sendo três móveis e dezessete fixos. Mas não há problemas em transformar fixos em móveis, depende da necessidade”, salientou, destacando que o OCR faz com que a polícia não precise perder tempo vistoriando carros que não têm problemas.