Luiz Simões de Assis entrega
óculos a estudantes.

Muitas pessoas com distúrbios graves de visão não podem consultar um oftalmologista, comprar os medicamentos necessários ou os óculos de grau recomendados por não terem condições financeiras. Sem um tratamento adequado, elas acabam tendo seus problemas intensificados e ? em casos de glaucoma, retinopatia diabética, inflamações e descolamento da retina ? podem até perder completamente a visão. Foi pensando nisso que integrantes do Instituto de Oftalmologia de Curitiba realizaram, de novembro a dezembro do ano passado, uma campanha de arrecadação de óculos a serem doados a pessoas carentes. Ontem, parte dos 1.700 óculos arrecadados foram entregues, na sede do Instituto, a seus novos donos.

Foram beneficiadas crianças e adultos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), da Associação Paranaense de Diabetes (Apad), da Fundação Iniciativa e do Centro de Atendimento Integrado ao Deficiente (Craid). “Recebemos doações de pessoas que deixaram seus óculos usados em um posto de arrecadação montado no Shopping Crystal ou na própria sede do Instituto Curitiba de Oftalmologia”, conta o diretor do Instituto, oftalmologista Luiz Geraldo Simões de Assis. “A maioria das pessoas que contribuíram com a campanha realizou operações de correção visual a laser e deixou de usar óculos. Foram solidárias ao doarem suas antigas armações àqueles que precisam.”

Com o decorrer da campanha, algumas óticas e laboratórios tomaram conhecimento da iniciativa e também passaram a colaborar. Gratuitamente, quatro médicos oftalmologistas do Instituto realizaram exames de visão nos integrantes das entidades beneficiadas e uma cirurgia em um menino de cinco anos de idade, morador do município de Almirante Tamandaré, na região metropolitana, que tinha mais de 50% da visão comprometida devido a uma catarata congênita.

Este ano, a campanha deve voltar a ser realizada no fim deste semestre e no fim do ano. O benefício deve ser estendido a outras entidades carentes ainda a serem definidas.

Entidades

Para as instituições beneficiadas pela campanha, o recebimento dos óculos e a realização dos exames foram bastante comemorados. “A maioria das pessoas que atendemos é muito carente e não tem condições de comprar óculos. Agora, todas poderão enxergar melhor e também desfrutar de maior qualidade de vida”, diz a coordenadora do setor pedagógico do Craid, Lílian Lagos. Na instituição, cinqüenta pessoas foram beneficiadas.

Segundo a secretária da presidência da Apad, Vânia da Rocha Santos, o diabetes, se não tratado corretamente, pode levar à cegueira. Como o portador do problema já tem muitos gastos com medicamentos, geralmente deixa a compra dos óculos em segundo plano. “Todos os quarenta beneficiados pela campanha foram muito bem atendidos e estão felizes por terem a chance de poder cuidar da saúde dos olhos”, diz.

Para a diretora da Fundação Iniciativa, Cristiane Mucellin, os óculos vão ajudar para que o desempenho escolar de quatorze crianças beneficiadas melhore. “Algumas crianças que passaram pelos exames não sabiam que tinham problemas de visão”, conta. “A descoberta precoce vai evitar que o estado deles piore. Enxergando bem, as crianças terão melhor desempenho na escola.”