Funcionários da limpeza pública de Curitiba aprovaram, por unanimidade, na manhã desta terça-feira, entrar em greve por tempo indeterminado. Segundo o Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação de Curitiba (Siemaco), não houve aceitação por parte dos trabalhadores.

A Cavo, empresa responsável pela limpeza da cidade, havia dado a proposta inicial de reajuste salarial de 4% para 7,7% em março e mais 1,3% em setembro nos salários e 10% de reajuste nos tíquetes.

Segundo Manassés Oliveira, as coletas feitas nas ruas da cidade não acontecerão. “Apenas lixo hospitalar será recolhido”, explicou.

Ao todo, 2,5 mil funcionários atuam na limpeza pública de Curitiba.

A prefeitura de Curitiba afirmou que acompanha a negociação da categoria. Segundo o órgão, cabe a Cavo negociar salários e benefícios com os trabalhadores da área.

A prefeitura pede para que a população coloque o lixo para coleta no máximo dois dias antes da próxima coleta.

Além destas orientações, a prefeitura afirmou que determinou medidas para que o contrato seja mantido. O órgão ainda solicitou a disponibilização de pontos especiais de coleta onde a população possa fazer o descarte emergencial de resíduos orgânicos. Veja mais ações da prefeitura para a greve da limpeza.

Nas ruas de Curitiba já é possível ver sacos de lixo acumulados. Flagra enviado por leitor mostra a situação na Rua Dias da Rocha Filho, no Alto da XV.

 **Tem notícia perto de você também? Mande para a gente pelo WhatsApp do Paraná Online. Adicione o número 9953-1318.

O Paraná Online está também no seu celular, basta adicionou o número e entrar em contato.