Ao som da música tema do Homem-Aranha, dezenas de pacientes e familiares, colaboradores, médicos do Hospital Nossa Senhora das Graças, no bairro Mercês, em Curitiba, acompanharam surpresos a descida de personagens de histórias em quadrinhos pelas janelas da instituição. Ação ocorreu na tarde desta quarta-feira (4). Cinco pintores mascarados com fantasias do Super-Homem, o Senhor Incrível, o Capitão América, o Thor e o Homem-Aranha fizeram parte de uma atividade de humanização da instituição.

A equipe da empresa de pintura J. Machado, de Curitiba, que finaliza a revitalização da fachada da instituição, e a loja Máscaras e Fantasias aceitaram o desafio e “vestiram a camisa” da causa. Cederam o tempo e a boa-vontade para, durante a última etapa de lavar as janelas, mudarem a rotina do hospital com uma ação divertida.

Assim como eles, os funcionários do hospital também entraram na brincadeira usando capas vermelhas para animar o ambiente. Entre risos e lágrimas de crianças e adultos, os pintores-heróis receberam aplausos e pedidos de fotos de quem não saia do quarto há muito tempo.

É o caso de Fernando Batista, 26 anos, transplantado de medula óssea. Até domingo, estava internado na Unidade de Terapia Intensiva. Sentado na cadeira de rodas e com máscara cirúrgica, era a primeira vez que estava saindo do quarto depois de 54 dias de internamento. “É muito bom fazer uma coisa de diferente; sair do quarto e compartilhar a companhia das pessoas”, diz. Morador de Blumenau, o bancário é formado em administração de empresas. Descobriu a leucemia há três anos e, recentemente, conseguiu um doador 100% compatível na Alemanha. “Estamos com muitas esperanças”, conta a mãe Marlene Batista, 52 anos.

Pedro Dalécio Custódio da Silva, 5 anos, esperava o próximo personagem aparecer na janela. Está internado há alguns dias devido a uma bronquite, mas mesmo entre uma tosse e outra não deixou de demonstrar a alegria de ficar frente a frente com o Thor. Corria de uma janela para outra para enxergar melhor. “Quero ficar forte igual ao Thor”, dizia.

Entre os emocionados e mais requisitados estava o instrutor de segurança do trabalho, Josué de Oliveira, 45 anos. Os malabarismos e brincadeiras fazem parte de sua rotina. Além de instrutor, o “Homem-Aranha” atua na área de turismo de aventura e pratica rapel. “A expectativa foi a das melhores. Só ver o sorriso de todos aumenta a esperança”. Quando todos voltaram para o quarto, as frases pintadas nos vidros das janelas ficarão como lembrança. “Viver vale a pena”.

Visita ao hospital

Até quem não está internado foi ao hospital para encontrar com os super-heróis. Foi o caso de Noah de Brito Nadaline, 3 anos (na primeira foto da galeria). A emoção maior foi quando viu surgir o seu personagem preferido, Thor. No cumprimento, lembrou que tinha a força igual a ele. O pequeno ex-paciente fez transplante de medula em outubro de 2012 e, hoje, encontra-se bem. No mesmo ano que ficou internado, foi um dos personagens do vídeo Stronger, uma das ações de humanização do hospital, que incentivou a doação de medula óssea.

Equipe de pintura da J. Machado que finaliza a revitalização da fachada e a loja Máscaras e Fantasias aceitaram o desafio e “vestiram a camisa” da causa. (Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo)

O que você pediria ao super-herói?

A descida dos personagens pelas janelas do hospital foi a ação final, da campanha de humanização do HNSG. Para criar expectativa, alguns pacientes receberam durante o café da manhã nos últimos dias um convite para escrever o que pediriam a um super-herói se tivessem a oportunidade de encontrá-los. A resposta ao questionamento foi a de que quase todos queriam a melhora instantânea, segundo o psicólogo José Roberto Palcoski.

A dinâmica proposta pela equipe de médicos e funcionários foi de quebrar a rotina do hospital. “Com isso, é possível renovar a expectativa de esperança”, lembra Palcoski. Além do sentimento de esperança, também há uma melhora com a autoimagem. “Os pacientes ficam motivados e com bom humor é possível uma rapidez nos resultados. É uma intervenção diferente da medicação”.

O segredo para o bem-estar do paciente internado em hospital faz parte de um tripé, diz o psicólogo. “Muito afeto, espaço para escutar e levar a sério as dores que ele diz ter”. A ideia da intervenção foi inspirada em ações semelhantes realizadas por outros hospitais nos Estados Unidos. No Brasil, foi realizada por apenas um Hospital em São Paulo.

Exemplos

Em outras ações similares, o Hospital Nossa Senhora das Graças produziu, em 2012, o vídeo Stronger. A proposta era ampliar a doação de medula. Em 2013, o vídeo “Viver Vale a Pena”, em busca da recuperação do paciente com a divulgação de histórias de superação. Já em 2014, o vídeo “Vem doar” foi uma campanha pela doação de sangue.

Com informações de Aline Peres.