Os reflexos da gripe A começam a atingir pessoas que realizam trabalho voluntário nos hospitais de Curitiba. Para evitar possíveis contaminações, tanto dos enfermos quanto dos voluntários, a atividade foi suspensa temporariamente.

A presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer, Janice Gastaldon, que presta esse serviço para o Hospital Erasto Gaertner, revela que dos 400 voluntários, poucos continuam fazendo esse trabalho.

“Todos aqueles que realizavam atividades em grupo estão impedidos de vir até o hospital. Somente aqueles que desempenham trabalhos individuais é que estão autorizados, desde que estejam em boas condições de saúde”, explica.

Gastaldon lamenta a ausência dos voluntários. “Essas pessoas são muito importantes para o dia a dia do hospital”, revela. O projeto Trupe da Saúde, que reúne atores-palhaços para trazer alegria e diversão a crianças, jovens e adultos nos hospitais, é um exemplo disso. Até o final do mês, eles não poderão fazer apresentações nos hospitais.

“É uma pena interromper o nosso trabalho. Fomos pego de surpresa, contudo entendemos as razões dos hospitais”, diz Rafael Barreiros, um dos atores do grupo.