Moradores de Almirante Tamandaré sofrem com as cheias dos rios Tanguá e Barigui toda vez que chove um pouco mais que o normal. Ontem alguns moradores da Rua José Kleina foram retirados de barco perto das margens do Rio Tanguá. Nas 19 áreas de risco do município moram em torno de 680 famílias. Os bairros mais atingidos pelas cheias do Tanguá são: João Batista, Tranqueira, Centro, Jardim Bonfim e Tanguá, que faz divisa com o Pilarzinho, na capital.

Segundo o diretor de operações da Defesa Civil de Almirante Tamandaré, Luiz Carlos Teixeira, a prefeitura gastou R$ 430 mil na limpeza dos rios em 2011, mas na ponta da José Kleina as máquinas não entram. “A topografia do município é muito acidentada, com cerca de 40% a 75% de declive”, cita. A solução seria necessário retirar as pessoas das áreas de risco, projeto estimado em R$ 73 milhões. “O município não tem recurso para remover todas essas pessoas. Estamos aguardando ajuda do governo federal”.

Os comerciantes Marcos Santos e Marilene da Silva moram na José Kleina há dez anos e usaram a criatividade e o bom humor para tentar amenizar os danos das repetidas enchentes. “Fizemos uma barreira de contenção, mas sempre acaba entrando um pouco pelos ralos. Enquanto a prefeitura não resolve a situação, a gente usa nossos próprios recursos”, conta Marilene. Márcio Gomes, é proprietário há oito anos de uma farmácia na mesma rua, e calcula R$ 20 mil de prejuízo no último ano. “Quando a água entra, ela sobe rápido. Não dá nem tempo de salvar as coisas”, reclama.

Veja na galeria de fotos os estragos provocados pela chuva.