O Sindicato das Empresas de ânibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) vai solicitar hoje à Urbs a planilha de cálculo para o valor atualizado da tarifa técnica do transporte coletivo.

Após o requerimento, a Urbs irá apresentar a previsão do novo valor que será pago às empresas, com base nos estudos realizados pelo órgão. Conforme a Tribuna apurou, a nova tarifa técnica deve ficar em R$ 3,20.

Isto ainda não significa uma definição imediata, já que as próprias empresas também fazem seus cálculos e podem apresentar uma contraproposta. “O Setransp propõe que o cálculo seja feito em conjunto entre Urbs e concessionárias, da forma mais transparente possível, contando com o acompanhamento rigoroso do Ministério Público para que as cláusulas contratuais e a legislação sejam respeitadas”, informou em nota o sindicato.

O reajuste dos salários dos motoristas e cobradores era um dos principais fatores pendentes para a definição da nova tarifa técnica.

Após a greve da semana passada, os trabalhadores conseguiram, com mediação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) um aumento de 9,28%. Além disso, o Setransp afirmou que itens como o aumento dos combustíveis e da frota de ônibus também interferem na inflação do custo das empresas.

Passagem

A tarifa paga pelos usuários, hoje em R$ 2,70, ainda está longe de ter seu reajuste definido. Até 14 de março a tarifa segue sem alterações e enquanto isso Urbs e a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) seguem negociando o valor do subsídio que é repassado pelo governo do Estado. A prefeitura de Curitiba continua alegando que os R$ 5 milhões propostos pelo governo são insuficientes para garantir o sistema integrado.