Questionado sobre vacinas contra o coronavírus no Paraná, o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, disse nesta sexta-feira (12) que o governo estadual “não parou de dialogar com laboratórios”, mas reforçou que hoje cabe ao Ministério da Saúde comprar os imunizantes e que é preciso “pressionar” o governo federal para que isso aconteça. “Aqui no Paraná nós temos que fortalecer a nossa cobrança junto ao Ministério da Saúde para que o programa nacional de imunizações aconteça de verdade. Hoje o grande player de compra de vacinas no Brasil não é o Paraná, não é o município de Curitiba, nem de Londrina. É o Ministério da Saúde, que compra para 210 milhões”, afirmou ele, durante entrevista ao Meio Dia Paraná, da RPC.

LEIA TAMBÉM Paraná suspende mais uma vez início das aulas presenciais na rede estadual

“Temos que pressionar o governo federal, o Ministério da Saúde, para que realmente faça a compra acontecer. Vacina na mão dos estados, que nós levamos para os municípios”, reforçou ele. “Temos que parar de perder tempo com briga daqui e ali e ir atrás de buscar vacina e colocar na mão dos estados, que nós vamos fazer a vacinação”, acrescentou Beto Preto.

A mais recente carta aberta dos governadores de estados encaminhada ao presidente Jair Bolsonaro, na qual são cobradas medidas do governo federal de enfrentamento à Covid-19, é endossada por 21 chefes do Executivo. O governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), não assina a carta. No documento, divulgado na quarta-feira (10) e chamado de “pacto nacional em defesa da vida e da saúde”, os governadores pedem, entre outras coisas, a “expansão da vacinação, com pluralidade de fornecedores, mais compras e busca de solidariedade internacional, em face da gravidade da crise brasileira”.

Até esta quinta-feira (11), o Paraná recebeu mais de 1 milhão de vacinas do Ministério da Saúde e aplicou uma primeira dose em 450.589 pessoas. Deste grupo, 149.832 pessoas também já receberam a segunda dose. A soma de 450.589 representa cerca de 10% do grupo considerado prioritário, que é formado no total por mais de 4 milhões de pessoas. No plano estadual de vacinação, a expectativa é vacinar todo o grupo prioritário até o final de maio, com duas doses. Mas, para isso, o Paraná precisaria receber mais 7 milhões de doses, aproximadamente, para cumprir o ciclo completo de vacinação no grupo prioritário, dentro do prazo.