Quatro pessoas morreram em um acidente com o avião do empresário e arquiteto carioca Carlos Roberto Nunes Firme, de 62 anos, na noite de sábado, em Ribeirão Claro, no Norte Pioneiro do Paraná. Além do arquiteto, que pilotava o avião tipo Beach Baron, prefixo PT-LRN, morreram sua mulher, Mirian Coutinho Ferreira Firme, e um casal de amigos, os empresários Gennaro Accetta e Marilda Batista Rider.

O avião tinha saído de Marília (SP) com destino a Florianópolis (SC), mas foi surpreendido por uma tempestade na região de Ribeirão Claro, a 100 quilômetros do local de decolagem, caindo próximo à PR-151. A aeronave partiu-se em quatro pedaços. Os corpos de três pessoas foram encontrados na própria noite de sábado, enquanto o outro só foi resgatado no início da tarde de domingo, a cerca de 500 metros do local, no meio da mata. Uma equipe do Cindacta II, de Curitiba, esteve no local para recolher dados, que servirão para definir a causa da queda.

O delegado de Ribeirão Claro, Acilto Damian Preve, instaurou inquérito, no qual pretende ouvir testemunhas e contar com o laudo da Aeronáutica. Arquiteto e proprietário da construtora Ponto3, Firme tinha uma fazenda e imóveis em Marília. Os quatro corpos foram levados para o Rio de Janeiro.