Marcelino Duarte / Jornal Hoje
Telhado destruído pela chuva de granizo
em Toledo, um dos municípios mais castigados.

O temporal com chuva de granizo que atingiu, na madrugada de ontem, a região Oeste do Estado, deixou cerca de mil casas danificadas, sendo 600 destelhadas só na cidade de Toledo. Algumas pedras de gelo tinham o tamanho aproximado de uma bola de pingue-pongue e outras ao de uma bola de tênis. Em Matelândia, uma senhora morreu vítima de enfarte, causado pelo susto. Em Céu Azul, cinco pessoas ficaram desabrigadas. Os ventos chegaram a atingir 80 quilômetros por hora. A previsão era de mais temporais com chuva de granizo na região durante a noite de ontem.

Em Toledo, a chuva começou por volta das 3h da manhã e castigou dez bairros. Em quatro, os estragos foram maiores. As casas mais danificadas foram cobertas com telhas de fibro-cimento. “Algumas perderam todo o telhado e os moradores foram para a casa de parentes”, comentou o tenente da Defesa Civil Haroldo Guedes de Paula. Carros e vidros de casas também foram danificados. Até o meio-dia de ontem, a Defesa Civil já havia distribuído mais de 27.600 metros quadrados de lona na cidade e estava providenciando mais material.

Durante o dia de ontem, a chuva forte quase não deu trégua. Um morador que subiu no telhado para tentar consertá-lo acabou caindo de uma altura de dois metros e bateu a cabeça. Foi encaminhado em estado grave para um hospital da região. “Aconselhamos a não subir no telhado enquanto está chovendo. Fica muito escorregadio. O ideal é proteger os móveis em um cômodo, usando lonas”, explica o tenente. Na cidade também foram registrados dois pontos de alagamento.

Outras cidades

Em Céu Azul, vento e chuva atingiram dois bairros, danificando 130 casas e deixando 55 pessoas desabrigadas. Os prédios públicos também não escaparam, entre eles algumas escolas. O mesmo problema ocorreu em Matelândia, mas o número de casas atingidas foi menor (15). Uma senhora, assustada com o temporal, teve um enfarto e a família não conseguiu socorrer a tempo. Prédios públicos e comunitários também foram atingidos. Em Ramilândia, 55 casas tiveram avarias. Em outras cidades os estragos foram menores.

Segundo informações do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), durante o forte temporal, choveu 50 milímetros em apenas duas horas, o que é considerado um alto índice. As áreas de instabilidade foram provocadas devido à aproximação de uma frente fria. A previsão era de que houvesse mais temporais com chuva de granizo na região na noite de ontem. Para o Leste do Estado, é esperada chuva forte hoje.

Sem luz

De acordo com a Copel, o temporal interrompeu o fornecimento de energia para cerca de 140 mil consumidores em diversas cidades da região Oeste. As equipes de emergência da companhia atenderam mais de 500 chamadas ao longo do dia. Os municípios de Cascavel, Céu Azul, Medianeira, Toledo, Marechal Cândido Rondon, Palotina, Terra Roxa, Nova Aurora, Cafelândia, Catanduvas e Nova Laranjeiras foram os mais prejudicados. Nessas localidades, pelo menos 30 postes foram derrubados pelo vento.

Entre 3h30 e 3h45, as cidades de Céu Azul, Matelândia, Medianeira, São Miguel do Iguaçu e Foz do Iguaçu ficaram totalmente às escuras, depois que um raio atingiu as linhas de transmissão da Copel, que operam na tensão de 138 mil volts. Em Cascavel, os bairros da região oeste da cidade e o distrito de Sede Alvorada ficaram sem energia pela manhã, devido ao rompimento de cabos de alta tensão e a queda de oito postes da linha de distribuição que margeia a BR-467, nas proximidades do posto da Polícia Rodoviária. Apesar dos estragos, o abastecimento de energia elétrica e água voltou ao normal.

Previsão de chuvas fortes

A Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec) alertou ontem a Defesa Civil do Paraná a fim de prevenir contra a ocorrência de chuvas fortes, com ventos de até 80 km/h. É provável também a queda de granizo em áreas isoladas. Hoje o tempo deve ficar instável no Paraná, conseqüência de frente fria associada à formação, sobre o litoral gaúcho, de ciclone extratropical. Esse fenômeno meteorológico é comum nesta época do ano na Região Sul e não é semelhante em intensidade ao Catarina, ocorrido em março. Na costa do Paraná, é desaconselhável a pesca e o lazer no mar, onde é provável a ocorrência de ondas com até 3 metros de altura. A recomendação vale até domingo.