Pouco depois das 19 horas desta quinta-feira (27), ônibus biarticulados foram utilizados para fechar a saída do Terminal do Pinheirinho. Somente os ônibus da linha Santa Cândida-Capão Raso continuaram circulando nas canaletas do eixo norte-sul. Na Praça Rui Barbosa, os cobradores alertavam os passageiros que a linha Pinheirinho não estava mais operando.

Com o desrespeito à ordem da Justiça de manter 50% da frota rodando, a Prefeitura de Curitiba informou que entrou no plantão da Justiça do Trabalho com pedido de suspensão imediata da greve e antecipação da audiência de conciliação para esta sexta-feira (28) às 14 horas. “A Prefeitura reconhece o direito dos trabalhadores reivindicarem melhorias salariais, mas o funcionamento mínimo do sistema – assegurado pela Justiça – deve ser respeitado”, declarou a prefeitura em nota.

Sem acordo no TRT

Não houve acordo entre o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região (Sindimoc) e o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) na audiência conciliatória da tarde desta quinta-feira (27) no Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR). Com isso, a greve no transporte coletivo de Curitiba e região deve seguir até depois do Carnaval.

As duas partes não chegaram a um consenso em relação ao índice de reajuste para a categoria. O sindicato patronal ofereceu 7,36% de reajuste, que resulta em um salário de R$ 1.783,00 para motoristas e R$ 1.009,00 para cobradores. O TRT-PR sugeriu 7,5% de reajuste e o Ministério Público do Trabalho propôs 8,5% para motoristas e 10,5% para cobradores. O sindicato dos trabalhadores havia aceitado a proposta feita pelo TRT-PR, na quarta-feira, de 10,5% de aumento.

A desembargadora Ana Carolina Zaina encerrou a audiência e marcou para 6 de março, às 14 horas, uma nova tentativa de entendimento. Entretanto, ela reiterou que se avançarem as negociações e houver acordo entre as partes, a data da audiência poderá ser antecipada. Até lá, o Sindimoc se comprometeu a manter 50% da frota em circulação nos horários de pico e 30% nos demais horários.

Por meio das redes sociais, o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, pediu que “Sindicatos do Transporte suspendam a greve no período em que persistirem negociações na Justiça do Trabalho”. O prefeito ainda informou que, nesta sexta-feira (28), a prefeitura disponibilizará veículos da frota oficial para reforçar o transporte alternativo.

Assembleia dos motoristas e cobradores

A proposta de reajuste salarial feita na quarta-feira pelo TRT-PR foi aprovada em assembleia realizada ao meio-dia desta quinta-feira (27), na Praça Rui Barbosa, na região central de Curitiba. A proposta, aprovada por unanimidade, sugeria um aumento de 10,5%, mais um abono de R$ 300,00 e aumento de R$ 300,00 para R$ 400,00 no vale alimentação. Mas na audiência no TRT-PR, o sindicato patronal não concordou com esses valores.

Frota mínima não é cumprida

Em boletim divulgado no final da tarde desta quinta-feira, a Urbs informou que apenas 35% da frota estava operando, o que vai contra a determinação da Justiça. Em horários de pico (das 5h30min às 8h30min, das 11h30min às 14h e das 17h às 19h30min), 50% dos ônibus deveriam estar nas ruas e 30% nos demais horários.

No horário de pico da manhã, O Centro de Controle Operacional (CCO) da Urbs também registrou menos ônibus circulando do que o determinado pela Justiça. Apenas 40% estava nas ruas. A prefeitura já enviou as informações, para providências, à Justiça do Trabalho, que fixou multa de R$ 100 mil por dia em caso de descumprimento.