O funcionário da Bosch, Cristiano Pereira completou nesta quinta-feira (07) 59 dias acampado em frente à empresa. Segundo Pereira, que é dirigente sindical, a ideia é lutar pelos direitos dos trabalhadores e contra as demissões ilegais e o assedio moral que estariam acontecendo na multinacional.  

Para o trabalhador, seus colegas estão sobrecarregados, tendo que operar sozinhos de três a quatro máquinas. Cristiano afirma também que a Bosch estaria perseguindo os dirigentes sindicais. “Fui eleito pelos trabalhadores para lutar por eles, representar eles acerca de suas reivindicações e de suas necessidades. Se tem alguma coisa errada, minha obrigação é mostrar isso para a direção da empresa, para que se busque uma solução. Infelizmente estou pagando o preço apenas por estar cumprindo com minha obrigação”, comentou.

Os americanos da UAW, Sindicato nacional dos Estados Unidos, enviou carta de apoio à luta do trabalhador e manifestando preocupação com a atitude da administração da fábrica da Bosch Curitiba em tentar retaliar e interferir no trabalho dos dirigentes sindicais e “cipeiros”.