A Delegacia Regional do Trabalho (DRT/PR), juntamente com o Ministério Público do Trabalho (MPT), encontraram 85 trabalhadores que estavam desempenhando atividades em áreas de reflorestamento de pinus, atuando de forma escrava na região de Tunas do Paraná (Região Metropolitana de Curitiba). O Batalhão da Polícia Florestal também participou da ação.

Durante a fiscalização, os auditores fiscais do Trabalho (AFT) encontraram empregados enfermos atuando sem os equipamentos de proteção individual (EPIs), inexistência de água potável, falta de instalações sanitárias, além de estarem morando em barracos de chão batido. A Polícia Florestal prendeu o gerente da fazenda, que estava armado. Também foram apreendidas motosserras sem registros. A DRT interditou as propriedades, que também foram notificadas pelo corte de pinheiros e árvores nativas.