As mortes no trânsito tiveram queda de 19% no Paraná, de janeiro a setembro de 2013, comparado com o mesmo período de 2012. Foram 1.526 mortes em locais de acidente, nos primeiros nove meses do ano.

De acordo com o tenente Ismael Veiga, do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), os dois principais fatores que são constatados nos acidentes de trânsito, principalmente aqueles com vítimas fatais, são o excesso de velocidade e a ingestão de bebidas alcoólicas, aliados ao desrespeito à sinalização, principalmente o avanço de sinal vermelho.

Em 2012, foram 1.880 mortes em locais de acidente, nos primeiros nove meses do ano. As informações constam no Relatório Estatístico Criminal referente ao quantitativo de vítimas de homicídio culposo de trânsito, divulgado semana passada. O documento é elaborado pela Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico (Cape) da Secretaria da Segurança Pública.

Os dados se referem a ocorrências de rodovias estaduais, federais e trechos urbanos de todo o Paraná. Em Curitiba, a queda foi de 22% no índice de mortes no trânsito, passando de 182 ocorrências de janeiro a setembro de 2012 para 142 no mesmo período deste ano.

A redução ocorreu em 19 das 23 Áreas Integradas de Segurança Pública (Aisps), como por exemplo na Região Metropolitana de Curitiba (-39%) e Paranaguá (-21,4%).

55% mais mortres

A Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu o terceiro domingo de novembro como dia em memória às vítimas da imprudência nas ruas e estradas. Para marcar a data, o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) adiantou dados dos anuários estatísticos dos anos 2011 e 2012, que serão lançados no fim do mês. No Estado, em 2012, foram quase 45,5 mil acidentes com 2,9 mil mortes e mais de 59 mil feridos.

Entre 2011 e 2012, a frota paranaense cresceu quase 7%. Saltou de pouco mais de 5,4 milhões de veículos para aproximadamente 5,8 milhões, resultando, aproximadamente, em um carro para cada dois paranaenses.

O número de acidentes com vítimas, no comparativo entre os dois últimos anos, teve leve queda. Em 2011, foram registrados 45.635 acidentes e, no ano seguinte, 45.486. O número de vítimas não fatais praticamente se manteve: 59,3 mil por ano. O número de vítimas fatais, entretanto, aumentou mais de 55% no período. Em 2011, foram 1,9 mil mortes no trânsito do Estado, em 2012, 2.960 mortos.