A demissão de cobradores do transporte público de Londrina pode culminar com uma paralisação. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Coletivo de Londrina (Sinttrol), cerca de 350 cobradores foram demitidos nos últimos sete anos. Em assembleia, ficou definido que haverá um dia de protesto por conta disso, porém, a data ainda não foi definida.

De acordo com o presidente do sindicato, João da Silva, uma cláusula da licitação do transporte coletivo prevê que os ônibus convencionais têm que ter motorista e cobrador. Mas, segundo ele, isso não está sendo cumprido pelas empresas.

Em nota, o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo de Londrina (Metrolon) informou que as demissões das “linhas de baixa demanda são uma realidade que teremos que enfrentar”, pois isso representa um custo alto para as empresas, o que pode refletir no preço da tarifa.