O potencial das instituições de ensino superior (IES) do Paraná foi apresentado ao Ministério da Ciência, Investigação e Artes de Baden-Wüerttemberg pelo reitor João Carlos Gomes, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), em encontro na cidade de Stuttgart, com o diretor do Departamento Internacional do Ministério, Hans Georg Wolf, e sua equipe. O objetivo é promover intercâmbio acadêmico com as instituições daquela região da Alemanha.

A visita à região de Baden-Württemberg foi definida na semana passada, em Curitiba, quando o governador Beto Richa recebeu uma comitiva de reitores, empresários e autoridades alemãs para fortalecer o intercâmbio com o Paraná. O estado de Baden-Württemberg é o mais desenvolvido da Alemanha, onde estão localizadas 70 universidades e muitas das principais indústrias do país.

“É a região que mais investe em pesquisa”, diz Gomes. O percentual chega a 4,2% do PIB, quase o dobro da média alemã, de 2,59%, e muito superior à média brasileira, de 1,2%. Das nove universidades alemãs de excelência, quatro estão em Baden-Württemberg. De 2007 até 2011, o governo alemão investiu 1,9 bilhão de euros em pesquisas nestas nove instituições.

“A ideia é abrir espaço para a mobilidade acadêmica de docentes, alunos de pós-graduação stricto-sensu e de graduação de nossas IES”, explica o reitor. Ele enfatiza que, pelo seu grau de excelência, comprovado através das avaliações do MEC, as instituições de ensino superior paranaenses terão participação ativa nesse processo de internacionalização do ensino superior brasileiro, deflagrado pelo programa “Ciência sem Fronteiras”, através da Capes e CNPQ, no âmbito do governo federal, e com apoio da Fundação Araucária, em nível estadual.

Ao final do encontro em Stuttgart, foi delineado um projeto de intercâmbio, que será discutido nesta segunda-feira (28) com o secretário Alípio Leal, na reunião do Conselho de Reitores das IES Paranaenses.

Gomes prevê grande impulso nas relações entre o Paraná e a região de Baden-Württemberg a partir do segundo semestre de 2012, “com a vinda de estudantes alemães para as universidades paranaenses e a ida de nossos acadêmicos para a Alemanha”.

O reitor destaca que o programa vai além dos limites do “Ciência sem Fronteiras”, que num primeiro momento prioriza as áreas de saúde e tecnológica. O acordo com Baden-Württemberg contempla também alunos das áreas de ciências humanas, jurídicas, sociais e aplicadas.

Caberá a cada estado (Paraná e Baden-Württemberg) criar mecanismos de bolsas para os alunos das áreas que não estão amparadas pelo “Ciência sem Fronteiras”.

O projeto de intercâmbio acadêmico deverá oferecer curso de línguas (portuguesa e alemã) durante três meses. Após o curso, o aluno inicia suas atividades na universidade escolhida no país de destino, com duração de seis a nove meses.

João Carlos Gomes representou a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e as instituições estaduais de ensino superior paranaenses no encontro realizado a convite de Theresia Bauer, membro do Ministério da Ciência, Investigação e Artes de Baden-Wüerttemberg.