A Universidade Federal do Paraná (UFPR) deverá contemplar a inclusão de negros e pessoas de baixa renda já no próximo vestibular. O relatório da Comissão de Inclusão Social e Racial na UFPR, elaborado por sete membros, entre alunos e professores, já está pronto e deverá ser encaminhado ao Conselho Universitário no final deste mês. A proposta da comissão é destinar 20% das vagas para cada um dos grupos. Também está em estudo a inclusão dos índios, conforme a demanda.

“A comissão está propondo percentual de 20% para cada um dos grupos – negros e alunos que vêm de escolas públicas. Não é um percentual escolhido aleatoriamente. Ele tem a ver com o limite considerado razoável para iniciar o processo de inclusão”, explica a professora Dora Lúcia de Lima Bertulio, membro da comissão.

“Há na sociedade a idéia de que negros e pobres são incompetentes, quando na verdade eles não têm oportunidade para que seus talentos sejam desenvolvidos”, aponta a professora. Segundo ela, alunos da UFPR cujas famílias têm renda menor de R$ 1 mil somam apenas 20%. “E eles estão concentrados apenas em alguns cursos”, salienta. Os alunos que se inscreverem no programa terão que fazer a mesma prova de vestibular dos outros candidatos e estarão sujeitos à mesma avaliação.

Para Dora, apesar de alguns grupos interessados, a maioria ainda não quer discutir a questão da inclusão. Segundo ela, o próprio Ministério da Educação (MEC) tem se mostrado evasivo quanto ao tema.