Uma base operacional para remoção aérea será inaugurada hoje, pela Federação das Unimeds no Estado do Paraná, no aeroporto do Bacacheri, em Curitiba. A base atenderá cerca de 220 mil usuários da Unimed no Estado que possam vir a precisar ser removidos de cidades de menores recursos ou a outros estados da Federação.

“Temos 800 mil usuários no Paraná, porém cerca de 220 mil deles podem utilizar o serviço aeromédico”, comenta o vice-presidente da Federação e responsável pela remoção aeromédica em todo Paraná, Nelson Rezende. “Estes pagam um adicional de R$ 3,00 em suas mensalidades para ter direito ao serviço. Uma remoção aeromédica particular custa cerca de R$ 12 mil.”

Em parceria com a Helimed UTI Aérea, de Belo Horizonte (MG), a Unimed vem disponibilizando remoções aéreas há doze anos. No Paraná, são realizados cerca de dez procedimentos aeromédicos mensais. “Já há uma base aérea em Belo Horizonte. Entretanto a base de Curitiba vai trazer muito mais agilidade ao serviço”, revela Nelson.

Segundo o coordenador médico do transporte aeromédico, Máximo Cesinelli, as aeronaves presentes na base curitibana – dois aviões King Air C 90, no valor de US$ 2,5 milhões cada, com capacidade para um paciente, um médico, um enfermeiro, um acompanhante e dois pilotos – são consideradas muito velozes e capazes de realizar pousos em pistas pequenas. Também estará à disposição dos pacientes um helicóptero, utilizado para deslocamentos em regiões sem infra-estrutura aeroportuária.

“Com os aviões, temos condições de fazer transportes pediátrico, neonatal, de paciente politraumatizados (com fraturas multiplas), com problemas cardiológicos, obstétricos e que necessitem de respiração mecânica ou assistida”, informa Máximo. “As aeronaves tem condições de decolar do aeroporto do Bacacheri em dez minutos e possuem velocidade de cruzeiro de 380 km/h.”

Os profissionais que atuam no serviço aeromédico passam por um processo de treinamentos específicos. Eles são submetidos a vinte horas de treinamento na parte fisiológica que envolve as remoções, mais vinte horas em evacuação aerodinâmica e outras 20 horas de treinamento específico. No início do próximo ano, uma aeronave Learjet 31, com velocidade de cruzeiro de 750 km/h, também deve ficar locada na base aérea de Curitiba.