O presidente da Urbs, Roberto Gregório da Silva Junior , encaminhou nesta quarta-feira (9) à Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba), ofício solicitando a renovação do convênio que garante subsídio da tarifa do transporte coletivo. O prazo do convênio em vigor, assinado na gestão passada, termina no começo de maio.

O ofício formaliza solicitação do prefeito Gustavo Fruet e dá início ao processo de negociações entre a Urbs e a Comec para renovação do subsídio. O objetivo, explica o presidente da Urbs, é que se chegue à menor tarifa possível e que sejam preservadas duas importantes conquistas da sociedade, que são a integração do transporte e a tarifa única. Gregório desautorizou qualquer especulação a respeito de valores da tarifa e destacou que mais de 45% do preço da passagem do ônibus se referem ao salário de motoristas e cobradores, cujo reajuste só será definido em fevereiro.

Entre outros custos, como combustível, insumos e renovação da frota, também pesará na tarifa um projeto sancionado no final da gestão anterior que prevê o fim da jornada dupla – cobradores nas linhas com microônibus, onde o próprio motorista cobra a passagem e dá o troco.
Além de buscar a renovação do subsídio, o prefeito Gustavo Fruet determinou, no primeiro dia de mandato, a formação de uma comissão, a ser acompanhada pelo Ministério Público, para analisar a tarifa do transporte coletivo. Nesta quarta-feira Fruet reuniu-se com o procurador geral de Justiça, Gilberto Giacoia, formalizando o pedido de que o MP acompanhe o trabalho da comissão.

A comissão que estudará a tarifa de ônibus será presidida pelo presidente da Urbs e integrada também pelo secretário municipal de Trânsito, Joel Kruger. Como forma de dar mais transparência ao processo e assegurar uma análise criteriosa e isenta, serão convidados, além do Ministério Público, e entidades da sociedade organizada a acompanharem as avaliações.