Foto: Marcelo Machado Braga/Ibama

Óleo vegetal que vazou do terminal no litoral atingiu áreas de mangue da região. Galerias pluviais também foram afetadas.

Cerca de 100 mil litros de óleo vegetal vazaram, na noite de segunda-feira, de um dos tanques do Terminal 2 da empresa Cattalini Terminais Marítimos, localizado na Avenida Ayrton Sena, próximo ao Porto de Paranaguá. Desse total, entre um e dois mil litros atingiram a galeria de águas pluviais e chegaram ao mangue e à Baía de Paranaguá. O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) estão acompanhando o trabalho de limpeza da área. Os prejuízos ao meio ambiente ainda não foram calculados. A empresa divulgou em nota que não houve prejuízos ao meio ambiente.

Segundo a Cattalini, o vazamento de óleo de soja começou por volta das 23h30 de segunda-feira, devido ao rompimento da válvula que controla a entrada e a saída do produto em um dos tanques da empresa. A maior parte do material foi contida por diques de contenção que existem em volta desses reservatórios, mas parte do óleo vegetal acabou atingindo as galerias de águas pluviais. Logo após o incidente, a empresa acionou o IAP para acompanhar os trabalhos de contenção do óleo e de limpeza na região. ?Ao verificarmos o vazamento à noite, já ficamos atentos a um possível escoamento para o mar e orientamos a instalação de barreiras de contenção ao final das galerias?, disse o chefe do escritório regional do IAP em Paranaguá, Reginato Bueno. Cerca de 98% do produto vazado no pátio da empresa foi retirado ou contido na mesma noite, com auxílio de aparelhos de sucção e mais de 400 metros de bóias de absorção. Ontem pela manhã, os técnicos do IAP verificaram que o óleo também havia chegado ao mangue e à baía. Quando a maré subiu e invadiu as galerias através do canal do Rio Anhaia, o produto foi levado pela água.

Segundo o chefe do Ibama em Paranaguá, Lício Domit, ontem o material havia se espalhado cerca de um quilômetro pelo lado direito e esquerdo após o fim do canal, chegando até a altura do Santuário de Nossa Senhora do Rocio. Técnicos das empresas Hidroclen e Ecosorb – contratadas pela Cattalini para atendimento imediato a esses tipos de situações – trabalham no local.

Reginato calcula que cerca de 80% do óleo que vazou para o meio ambiente foi recolhido, e o trabalho deve terminar em dois ou três dias. Até lá, os dois órgãos ambientais vão monitorar e orientar as atividades. Para ele, ainda é cedo para precisar danos. O óleo em grande quantidade pode impedir a respiração de plantas e animais, e afeta as raízes dos mangues, entre outros problemas.

Foram realizadas coletas da água e do mangue atingidos pelo óleo para análise. ?Depois de concluídas as análises e dimensionado o impacto ambiental, o IAP irá definir o valor da autuação que será aplicada à empresa?, acrescentou o chefe do escritório regional. Ontem, o Ibama encontrou uma tartaruga morta, mas Domit disse que só através de exames poderá ser verificado se a morte do animal tem alguma relação com o óleo. No terminal onde houve o vazamento estão instalados 35 tanques para o armazenamento de produtos não-inflamáveis e as atividades não precisaram ser paralisadas. Segundo Reginato, neste ano, essa é a segunda vez que ocorreu um problema desse tipo no pátio da empresa. O primeiro ocorreu há dois meses.