Para quem vende flores e velas ao redor dos cemitérios, o feriado de Finados é o dia mais esperado do ano. No entanto, apesar de o movimento ainda ser grande, comerciantes da região do Cemitério Municipal São Francisco de Paula, localizado em anexo à Praça João Sotto Maior, no centro de Curitiba, acreditam que as vendas neste ano estão sendo mais fracas do que em anos anteriores. Para eles, a diminuição no número de produtos vendidos se deve à redução da quantidade de visitantes nos cemitérios.

<Noticias Relacionadas>

A proprietária de uma floricultura de uma das ruas ao redor do cemitério, Leonilda Novakoski, acredita que o movimento tem diminuído a cada ano. “Os jovens estão perdendo a tradição de vir ao cemitério visitar os falecidos”, avalia.

A proprietária de um outro estabelecimento próximo ao de Leonilda, Amanda Costa, concorda, mas ainda assim é otimista. “São mais idosos mesmo que aparecem aqui. Os jovens só vêm com os pais mesmo, mas acho que a tradição não deve acabar porque mesmo essas pessoas que são jovens agora, um dia também virão visitar seus pais”.

Para Leonilda, há ainda outro fator que contribui para a redução nas vendas: a concorrência dos supermercados. “Eles oferecem preço mais baixo por um produto de pior qualidade, mas, se fizermos a mesma coisa, perdemos nossos clientes mais tradicionais, que vêm aqui há 50 anos”, explica.

De acordo com ela, as flores mais vendidas são crisântemos, flores do campo, violetas, cravos, rosas e copos de leite. Nos dias de maior movimento, como no feriado de Finados, toda a família trabalha para ajudar no atendimento aos clientes.