Vendaval na tarde de domingo danificou 250 casas em Contenda, há cerca de 50 quilômetros de Curitiba. O vento, que durou perto de quinze minutos, veio acompanhado de fortes chuvas, trazendo ainda mais prejuízos aos moradores. A cidade ficou sem comunicação por mais de duas horas, e, em algumas regiões, a energia elétrica só voltou após quatro horas. Ontem, os moradores contabilizavam os prejuízos.

O carpinteiro José Carlos de Oliveira teve o telhado da casa arrancado pelo vento e equipamentos elétricos, como televisão e som, queimados. Para poder passar a noite na casa, teve que cobrí-la com lonas plásticas. Ele estima o prejuízo só com o telhado em R$ 580. ?Molhou tudo aqui dentro porque as folhas que cobriam a casa voaram?, conta. A residência ao lado de José Carlos foi totalmente destruída, ficando em pé apenas o banheiro. ?Sorte que não tinha ninguém em casa.?

A comerciante Eliana Cristina Siqueira colocou os móveis e roupas para secar em frente à pequena lanchonete. A filha dela, que brincava no colchão colocado na rua, não foi para aula porque todo o material escolar também molhou com a chuva. ?Além dos móveis e eletrodomésticos que perdemos, estragou também o estoque da lanchonete?, relatou Eliana. Eliana e José Carlos moram no bairro Itaperubá, considerado um dos mais carentes de Contenda – cidade que tem cerca de 14 mil habitantes. A metade mora na zona rural, que não foi atingida pelo temporal.

Muita gente perdeu móveis.

Itaperubá foi uma das regiões mais atingidas pelo temporal, que provocou danos também na região central e nos loteamentos São João e Planalto. O aposentado Hildemar Cardoso Moreira – que ontem serrava uma árvore que caiu no seu jardim – conta que a Avenida São João, que passa em frente à casa, ficou alagada. ?Meu medo era que a árvore caísse nos fios de alta tensão?, observou. No bairro Trevo, um grupo de trabalhadores retirava com um caminhão os galhos de pinheiro que caíram em cima de um depósito de sementes de batata. Eles afirmaram que, após a limpeza, iriam cortar outros pinheiros que ficam atrás do imóvel, para evitar mais prejuízos. Mesmo correndo o risco de ser multados.

Emergência

Prejuízos foram grandes.

Um levantamento prévio feito pela Prefeitura apontou que, além das 250 casas danificadas, outras duas foram arrancadas pelo vento. Quatro pessoas ficaram desabrigadas. Além disso, também foram atingidas a creche, a escola e o ginásio de esportes do município. Outros 35 barracões tiveram parte ou todo o telhado danificados. O prefeito de Contenda, Hélio Luis Boçoen, confirmou que, devido ao problema, as aulas foram suspensas no dia de ontem e os funcionários da Prefeitura concentravam a atenção para recuperar os órgãos públicos. ?Nós estamos dando a assistência, na medida do possível, para toda a população, mas pedimos a solidariedade de todos para ajudar quem foi atingido?, falou.

Segundo Boçoen, só no domingo foram distribuídos 1,4 mil metros de lonas plásticas. Segundo ele, devido à queda de energia e comunicação houve muita dificuldade em localizar as famílias atingidas. ?Como a cidade é pequena, tivemos que chamar socorro indo de casa em casa?, falou. Ontem pela manhã, o prefeito já havia comprado mil telhas, além de madeira e pregos, para distribuir à população. Ele garantiu que iria decretar emergência localizada para poder providenciar a compra imediata de material e justificar o gasto perante o Tribunal de Contas.