Foto: Divulgação

Banhistas ficam na areia, mas muito próximos do calçadão da avenida principal.

As tardes na praia de Guaratuba têm sido mais ?apertadas? para os veranistas durante esta temporada. Quando a maré começa a subir, a faixa de areia fica estreita e impede que cadeiras, guarda-sóis e tendas fiquem montados, tornando menor o espaço para quem ainda quer aproveitar o mar. À noite, a situação fica ainda pior.  

A ressaca na madrugada de anteontem (17) fez com que um evento de arte e cultura fosse transferido para a Praia de Leste. Depois de montada a estrutura para as atividades na noite anterior, o mar avançou até o calçadão, inviabilizando a utilização do local. ?Não tinha espaço para atração nenhuma. Ficou só um metro e meio de faixa de areia?, conta a moradora Leonir Ferreira, que observou toda a operação da sacada do prédio onde mora, na Praia Central.

Segundo ela, à tarde, tanto na frente de casa como na Praia do Cristo, fica difícil achar espaço. ?Hoje (ontem), por exemplo, tem só quatro metros de onde o mar está até a mureta do calçadão. Na maioria das vezes fica assim, de vez em quando até pior?, afirma a moradora, que já viu tempos melhores nas areias de Guaratuba: ?Em outros verões tinha 30 ou 40 metros de areia. Hoje, dificilmente passa de dez?. A ?puxada? da maré ontem formou um grande banco de areia a alguns metros da praia.

O avanço do mar está relacionado a uma questão física bastante freqüente, os ciclos naturais da erosão ou sedimentação das praias. Na fase erosiva desse ciclo, o mar leva a areia da praia, ocasionando as chamadas ressacas daí a necessidade de as construções respeitarem uma faixa mínima de areia em relação ao mar, de forma que esses ciclos possam ocorrer livremente e evitando, assim, que a areia praticamente ?acabe? em determinados horários do dia.

Daqui a uma semana, se as marés ajudarem, o evento deve ser transferido novamente para Guaratuba.