Os professores das Faculdades Espírita retornaram às aulas ontem depois de treze dias de paralisação. Uma liminar concedida pela 6.ª Vara do Trabalho de Curitiba determina que o pagamento de julho seja efetuado até hoje. Caso contrário, uma conta vinculada a 6.ª Vara será aberta no Banco do Brasil ou Caixa Econômica para que os alunos paguem as mensalidades e o dinheiro seja repassado diretamente aos docentes. Com a medida, 1.200 alunos retornam à sala de aula.

Os 150 docentes da instituição decidiram pelo fim da greve na última sexta-feira em uma assembléia. Eles reclamam que desde o início do ano os salários saem atrasados. O pagamento de junho só foi acertado em agosto, após o início do movimento.

Os professores e alunos da instituição resolveram criar uma comissão para fiscalizar a destinação dos recursos enquanto a situação não se regulariza. O objetivo é garantir os salários e o investimento na melhoria do ensino, explica o vice-presidente do sindicato dos professores, Valdir Perrini. Uma proposta para reposição de aulas será apresentada amanhã pelos professores no Tribunal Regional do Trabalho (TRT).