A superintendente do Instituto Brasileiro de Defesa de Pessoas Portadoras de Deficiência (IBDD), Teresa Amaral, afirma que, embora tenham que enfrentar vários problemas relacionados à falta de mobilidade e de acesso à educação e ao mercado de trabalho, os portadores de deficiência têm pelo menos um motivo para comemorar o Dia Nacional de Luta da Pessoa Portadora de Deficiência, celebrado nesta terça-feira: o início da mudança do olhar da sociedade em relação a essa fatia da população, que representa 14,5% do total de brasileiros, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística referentes a 2000.

Para Teresa Amaral, um dos fatores que mais contribuem para essa mudança é a percepção da capacidade dos portadores de deficiência. Ela destaca que prova disso é participação de 98 atletas brasileiros nas Paraolimpíadas de Atenas (Grécia), em treze modalidades, com a conquista de seis medalhas de ouro, quatro de prata e duas de bronze em quatro dias de competição. ?Esse dia é para comemorar nossa capacidade de lutar e o início de mudança do olhar da sociedade para com a gente?, salienta.

Nesta terça-feira, a velocista Ádria dos Santos venceu a prova dos 100 metros rasos e ganhou mais uma medalha de ouro para o Brasil. O judoca Antônio Tenório também levou o ouro na categoria até 100 quilos. Até agora, o Brasil tem seis medalhas de ouro, quatro de prata e duas de bronze.