Brasília (AE) – O advogado José Roberto Batocchio, que defende Flávio Maluf, protocolou hoje um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar livrá-lo da prisão. O ministro do STF Celso de Mello foi sorteado como relator da ação e deverá decidir nos próximos dias o pedido de liminar para que seja determinada a imediata libertação de Flávio.

Junto com o pai, o ex-prefeito Paulo Maluf, Flávio está preso desde o dia 10 de setembro na Superintendência da Polícia Federal em São Paulo.

No mérito, o advogado solicita que o STF conceda um habeas corpus que garanta a Flávio o direito de responder em liberdade à ação penal movida contra ele.

Na ação protocolada no Supremo, Batocchio citou cinco argumentos para contestar a prisão de Flávio. Entre as alegações o advogado disse que há uma absoluta falta de fundamentação da decisão que decretou a prisão preventiva e que não há justa causa para a medida.

"Inegável, pois, o constrangimento que se lhe impõe, além de ilegal e de todo desnecessário, como se demonstrou. Periclitam suas empresas, seus negócios e os postos de trabalho de milhares de brasileiros", alegou o advogado.