Desrespeitar as leis de trânsito é um ato socialmente aceito entre jovens e muitas vezes incentivado pelos pais. Segundo pesquisa instantânea organizada pelo diretor-geral do Departamento de Trânsito do Paraná, Marcelo Almeida, 86,21% dos jovens entre 14 e 17 anos consideram importantes as leis de trânsito, mas apenas 24% respeitam efetivamente a legislação.

A pesquisa foi realizada pela Digiquest entre 240 alunos do ensino médio de um colégio, em Curitiba, onde Almeida proferiu palestra na última terça-feira, sob o tema ?O jovem e o trânsito?. Entre os entrevistados, 75,86% admitiram infringir as leis de trânsito de forma sistemática ou esporádica.

Pela pesquisa, 55,17% dos jovens admitiram ter dirigido sem a Carteira Nacional de Habilitação. De acordo com Almeida, um dos dados mais alarmantes da pesquisa foi que, desses, 41,3% cometeram a infração em companhia dos pais. ?Esta é a prova de que qualquer esforço público de repressão e educação para o trânsito perde para o mau exemplo que os jovens recebem em casa?, disse o diretor do Detran.

Almeida revelou que, quando jovem, também cometeu a mesma infração. ?Hoje, reconheço meu erro. Conheço as estatísticas e estudei muito sobre comportamento no trânsito. Os jovens, especialmente os homens, são imprudentes e usam o ambiente do trânsito para aparecer e se auto-afirmar. Isso precisa ser corrigido pela sociedade?, destacou.

Bebida

Outro dado da pesquisa que deixou o diretor do Detran/PR preocupado com a segurança dos jovens no trânsito foi o fato de 48,28% dos entrevistados admitirem já ter pego carona com motorista alcoolizado. ?Dirigir sob efeito de álcool é outra infração socialmente aceita, mesmo estando presente em mais de 50% dos acidentes fatais. Novamente, constatamos que os maiores problemas do trânsito são culturais e comportamentais?, afirmou.

Almeida avaliou que os esforços feitos pelo Detran, como o Mutirão pela Vida, se mostram insuficientes para melhorar a conscientização dos jovens. Após a sua palestra no colégio, apenas 14,89% dos estudantes disseram que vão procurar respeitar mais as leis de trânsito e 10,64% assumiram que não mudarão o comportamento.

?Precisamos do comprometimento dos pais em todos os esforços de educação para o trânsito. Sem isso, não mudaremos nossas estatísticas e continuaremos colocando as vidas de muitos paranaenses em risco?, concluiu.