Uma pesquisa, que será realizada em parceria por três instituições, deverá revelar o perfil dos estudantes de mestrado e doutorado do país. O estudo envolverá a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O acordo para realização da pesquisa foi firmado, nesta quarta-feira, no Ministério da Educação.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse que o objetivo da parceria é revelar elementos da carreira dos profissionais que concluíram esses cursos, tais como área de atuação e expectativa profissional, por exemplo.

De acordo com o ministro, essa análise poderá aprimorar até os gastos com a educação superior. "A iniciativa promoverá análise mais cuidadosa com os gastos em educação. E teremos a oportunidade de aproveitar melhor esses recursos para termos políticas mais vigorosas do governo federal", disse Haddad.

O presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, ressaltou o paralelismo que existe entre "o sucesso científico e tecnológico e a formação pelo CNPq ou pela Capes". Este, segundo ele, é um dos motivos que explicam a importância deste mapeamento.

O presidente do CNPq, Erney Camargo, informou que a Receita Federal disponibilizará os números do Cadastro da Pessoa Física (CPF) de todos os ex-mestrandos e doutorandos para a Capes e o CNPQ. "Por meio disso, poderemos saber se os estudantes estão desempregados ou não", explicou.

Segundo Camargo, as instituições ligadas ao ensino superior perdem contato com os estudantes logo após a formatura. "Esta é uma oportunidade de restabelecermos este vínculo", acrescentou.

Na opinião do presidente do Ipea, Glauco Arbix, a sociedade brasileira terá lucros com o acordo. "A parceria representa uma possibilidade de avançar na pós-graduação e na graduação, porque dará parâmetros para a nossa política industrial. Com isto, todos ganharão, principalmente a sociedade brasileira", afirmou.

Balanço divulgado pelo Ministério da Educação indica que 180 mil mestres e doutores se formaram em universidades públicas, privadas e institutos de pesquisa entre 1996 e 2003.