A Petrobras coloca em operação, em janeiro, a plataforma Cidade de Armação dos Búzios, a primeira unidade de grande porte voltada para manutenção e revitalização de plataformas antigas na Bacia de Campos. A estrutura suporta até mil toneladas em depósito de materiais e equipamentos, e está equipada com dois guindastes com capacidade para 20 toneladas cada um

A unidade de apoio foi batizada hoje e, segundo o gerente-geral da Unidade de Negócios da Bacia de Campos, Carlos Eugênio Melro, vai iniciar operação na plataforma de Garoupa. Com as inovações tecnológicas, a Petrobras espera aumentar em 1,5 ponto porcentual a capacidade de recuperação de óleo em suas descobertas na Bacia. Atualmente, a estatal brasileira recupera 35% do petróleo descoberto na região. "Isso equivale a quase um campo gigante sendo descoberto", disse. A estimativa é que esse trabalho de modernização e revitalização eleve em 400 milhões de barris de óleo equivalente a capacidade de extração de petróleo descoberto pela Petrobras na Bacia

Segundo Melro, a nova plataforma é importante para que a estatal consiga ampliar o tempo de produção de suas unidades mais antigas, especialmente Garoupa; Pampo; Namorado 1 e Namorado 2; Cherne 1 e 2; e Anchova. A nova plataforma terá capacidade de gerar nove mil quilowatts, o suficiente para abastecer uma cidade com 20 mil pessoas. Além de atuar na melhoria da infra-estrutura de outras plataformas, terá como função ser um hotel com capacidade para 280 pessoas

A unidade tem 42 metros de altura, o equivalente a um edifício de 14 andares. Melro informou ainda que a Petrobras fechou um contrato hoje de quatro anos com Etesco Milenium, responsável pela construção da unidade, para aluguel da plataforma. O contrato é de US$ 68 milhões. Além desses recursos, a Petrobras espera ainda investir mais US$ 140 milhões para melhorias e revitalização dos campos mais antigos da Bacia de Campos