Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta quarta-feira (6), com os operadores ignorando o inesperado declínio nos estoques comerciais norte-americanos, segundo analistas. O Departamento de Energia (DoE) dos Estados Unidos informou que os estoques de petróleo bruto encolheram em 1,1 milhão de barris na semana passada, enquanto os estoques de gasolina também caíram em 1,1 milhão de barris e os estoques de destilados – que inclui diesel e óleo para aquecimento – encolheram em 400 mil barris.

Analistas entrevistados pela Dow Jones estavam esperando um aumento de menos de 1 milhão de barris nos estoques de gasolina e petróleo bruto e uma modesta queda nos estoques de destilados. Mas "não foi uma surpresa suficiente para garantir um movimento substancial em qualquer direção", disse o analista Edward Meir, da corretora Man Financial em Nova York. "O aumento na taxa de atividade das refinarias foi um pouco bearish (de baixa) porque poderá significar que mais produtos derivados estão a caminho no futuro", acrescentou.

As transações foram voláteis. O analista Phil Flynn, da Alaron Trading Corp em Chicago, disse que o aumento na taxa de atividade das refinarias foi o aspecto mais bearish do relatório.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de petróleo para janeiro fecharam a US$ 62,19 por barril, em baixa de US$ 0,24, ou 0,38%; a mínima foi de US$ 61,84 e a máxima de US$ 63,01. Na ICE Futures, de Londres, os contratos de petróleo Brent para janeiro fecharam a US$ 63,07 o barril, em baixa de US$ 0,25, ou 0,39%; a mínima foi de US$ 62,89 e a máxima de US$ 63,99. As informações são da Dow Jones.