Brasília (AE) – A Polícia Federal (PF) abriu hoje um inquérito para investigar a denúncia de que o presidente da Câmara, Severino Cavalcanti (PP-PE), teria sido chantageado pelo empresário Sebastião Augusto Buani para renovar a licença de funcionamento do restaurante dele da Casa.

Caso as investigações mostrem que foi Severino que teria extorquido Buani, a PF pedirá licença ao Supremo Tribunal Federal (STF) para processar o presidente da Câmara, que tem direito a foro privilegiado.

Segundo denúncia publicada na imprensa, o empresário teria pago um "mensalinho" de R$ 10 mil a Severino para manter a permissão do estabelecimento na Câmara. O presidente da Casa alegou que, ao contrário, ele é que era chantageado por se recusar a renovar a autorização à empresa. Severino pediu a abertura da investigação ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. Hoje mesmo, Buani recuou e negou que tivesse pago propina ao presidente da Câmara.

Designado para coordenar as apurações, o delegado Sérgio Menezes informou que, por ser autor da reclamação, o primeiro a ser ouvido será Severino, mas a data do depoimento ainda não foi marcada.