Cerca de 200 policiais federais, em conjunto com fiscais do Ibama e auditores da Receita Federal, desencadearam na manhã de hoje a Operação Caá-Ete, com objetivo de desmantelar uma organização criminosa voltada ao contrabando e falsificação de agrotóxicos. A quadrilha era formada por empresário e funcionários públicos, e atuava em doze cidades do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Goiás. Estão sendo cumpridos nos quatro estados mandados de prisão, busca e apreensão e de sequestro de veículos, expedidos pela Justiça Federal de Carazinho (RS).

Boa parte dos produtos, cerca de cinco toneladas por mês era contrabandeada e entrava no País principalmente por Ciudad del Este (Paraguai) ou por Rivera (Uruguai). Além de contrabandear os agrotóxicos, a quadrilha era responsável por um esquema de falsificação e distribuição de inseticidas.