O PFL rebateu, nesta quinta-feira, em nota elaborada durante a reunião da Executiva do partido, em Brasília às críticas do PT, que em resolução na segunda-feira acusou a mídia e a oposição de denuncismo e golpismo.

"A crise tem nome e se chama Lula", respondeu o presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen(SC). Em nota, o PFL diz que as crises política e ética "nascem e têm seu principal foco propulsor no governo Lula que foi obrigado a demitir ministros, dirigentes de estatais, detentores de cargos de confiança responsáveis diretos ou indiretos por atos delituosos".

"Foi culpa do governo, impedindo a instalação da CPI dos Bingos em fevereiro de 2004, época do caso Waldomiro Diniz, que a corrupção se sentiu estimulada, tornou-se arrogante, apostou na impunidade e mostrou-se incontrolável, impedindo correções de rumo e a punição de culpados", diz o PFL na nota.