O PFL não se sentará à mesa com o governo para discutir a crise política. Mas o partido continuará a debater os projetos de interesse do País no âmbito do Congresso.

"Não vamos sentar à mesa com integrantes do governo Lula e nenhum membro de seu ministério. Não vamos dialogar com o primeiro escalão do governo", disse o presidente nacional da legenda, senador Jorge Bornhausen (SC). Segundo Bornhausen, a sigla não aceita "conchavos, acordos, acordinhos ou acordões". Ele quer a investigação dos corruptos e dos corruptores.