Daqui exatamente um mês nosso amado pinhão terá sua venda liberada em todo o estado do Paraná. Só daqui um mês, entendeu? A comercialização ou mesmo o transporte da semente são proibidos por lei antes do dia 1º de abril, para permitir que o pinhão se desenvolva de maneira mais completa e sua reprodução não seja prejudicada.

Se a colheita for feita antes do tempo, ainda no período de defeso, o desenvolvimento da pinha fica prejudicada, o que afeta a qualidade do produto e o sustento das famílias que vendem a semente

Símbolo do Paraná e toda a região Sul como um todo, o pinhão tem uma legião de fãs por todo o mundo (vá dizer que aquele parente que mora no exterior nunca pediu pra enviar um pouco de pinhão pelo correio ou mesmo dentro da sua mala de viagem? Tradicionalmente preparador cozido na panela de pressão, ele também é feito sapecado na chapa do fogão à lenha ou mesmo direto no braseiro de uma fogueira.

A chegada do outono e do inverno muda os cardápios de restaurantes que servem comidas típicas do Paraná e também os de cozinha experimental. Receitas das mais variadas levam pinhão em sua composição neste período.

Mesmo sendo colhido na data permitida, a regulamentação proíbe, em qualquer tempo, o consumo e a venda das sementes verdes, quando o pinhão apresenta cor esbranquiçada e alto teor de umidade. Nesse estado, as pinhas podem conter fungos e ser prejudicial à saúde.

Multa

De acordo com as normas ambientais, a pessoa que for flagrada na venda, transporte ou no armazenamento do pinhão antes de 1º de abril está sujeita a responder a processos administrativo e criminal, além de receber auto de infração ambiental e multa de R$ 300,00 para cada 60 quilos de pinhão.

As denúncias sobre a venda irregular de pinhão e demais infrações ambientais, podem ser feitas no link “Fale Conosco”, no site do IAP, pelo telefone do IAP Curitiba: (41) 3213-3700 ou regionais do IAP e Polícia Ambiental.