O ministro da Defesa, Waldir Pires, disse que está otimista de que não vai haver mais problemas no setor aéreo. Mas advertiu que sempre que houver alguma problema ou que o estado de direito não funcionar haverá intervenção "em todos os aspectos". De acordo com o ministro, não se pode "tolerar" que se prejudique o interesse legítimo da população. E acrescentou: "Se repetir (a crise que ocorreu no setor no período do Natal) seja aqui ou ali estaremos atentos e vamos agir".

De acordo com o ministro, o governo tem o dever de garantir o exercício da cidadania de população, assegurando a quem comprou a passagem o direito de viajar. Waldir Pires lembrou que, após a crise da Varig, a TAM ficou com quase 50% do mercado, a Gol com 30% e as demais companhias com os 20% restantes. " Isso tem estimulado comportamentos que não adequados que nos obrigou a tomar medidas duras que serão tomadas sempre que houver necessidade" avisou Pires.

Ele evitou fazer comentários sobre a possibilidade de deixar o cargo: "Só o presidente sabe e pode falar sobre isso". Sobre a desmilitarização do setor, o ministro disse que essa é uma decisão de governo e que acredita que o presidente ainda neste mês de janeiro deverá estudar o relatório da comissão que avaliou os problemas do setor.