Um ano depois do início das obras no Parque Aquático Maria Lenk, que fica no Autódromo Internacional de Jacarepaguá, começou ontem o primeiro teste com a piscina que será utilizada dos Jogos Pan-Americanos do Rio. Em aproximadamente cinco dias, ela receberá 3,8 milhões de litros de água, necessários para os testes nas instalações hidráulicas, sonorização e iluminação subaquáticas.

Uma das principais intenções do teste é verificar a existência de infiltrações na estrutura. E o secretário municipal de Obras e Serviços Públicos, Eider Dantas, explicou que, caso o problema venha a acontecer, não será necessário quebrar azulejos para consertá-lo.

"Fizemos uma impermeabilização química cristalizante e teremos condições de reparar um possível problema por fora da piscina. O fundo dela foi projetado para dentro de uma sala e qualquer tipo de intervenção poderá ser feita externamente", explicou o secretário. Na sala onde estão os fundos das piscinas olímpica e de saltos também foram instalados os seis filtros responsáveis pela limpeza de ambas.

Com o término dos testes na piscina de natação, será a vez do tanque de saltos, que no início de abril terá concluídas suas obras. E, por fim, as verificações ocorrerão na piscina de aquecimento. A mesma água – com temperatura mantida entre 27 e 29 graus Celsius – será utilizada em todas as simulações, por causa de um sistema de bombeamento construído no parque aquático.

O término das obras no complexo, que homenageia a primeira nadadora brasileira a disputar uma Olimpíada, foi marcado para o fim de abril. Atualmente, mil operários – 800 durante o dia e 200 à noite – trabalham para entregar tudo dentro do cronograma estabelecido. Nesta quarta, além do enchimento da piscina, outro trabalho que chamou a atenção foi a instalação das telhas nas estruturas metálicas das arquibancadas.