O líder do PMDB na Câmara, deputado Wilson Santiago (PB), informou hoje que 84 dos 90 deputados do partido eleitos em outubro já confirmaram presença na reunião de amanhã, em Brasília, quando poderão, segundo o ex-líder Geddel Vieira Lima (BA), apoiar a candidatura do petista Arlindo Chinaglia (SP) à presidência da Câmara. O encontro de amanhã foi convocado para definir a posição do bancada na sucessão na presidência da Câmara.

Segundo Santiago, a reunião vai começar por uma preliminar: para evitar dissidência, ele vai querer saber dos deputados se eles fecharão ou não questão em torno da decisão que for tomada pela maioria. Vencida a preliminar, a idéia é retomar a discussão do ponto em que parou – a candidatura própria à presidência da Câmara. Só depois da eventual rejeição da candidatura própria – hipótese provável em função da ausência de um nome forte no PMDB – os peemedebistas tomarão uma decisão entre a reeleição do atual presidente, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) ou a candidatura de Chinaglia.

O ex-líder Geddel disse apostar que o resultado da decisão de amanhã dos peemedebistas será favorável ao candidato do PT. "O PMDB não detém força hegemônica para comandar a Câmara e o Senado, e fica claro que a prioridade do partido passa a ser a reeleição de Renan Calheiros (no Senado)." Geddel explicou que, como o PMDB precisa dos 13 votos do PT no Senado para reeleger Renan, vai defender o apoio a Chinaglia na Câmara, vinculado ao compromisso com um rodízio pelo qual que o PT apoiará o PMDB na presidência da Câmara daqui a dois anos. "Por isso, vou defender o apoio a Chinaglia", concluiu Geddel.