O comandante-geral da Polícia Militar do Paraná, coronel David Antônio Pancotti, apresentou durante a reunião da operação ?Mãos Limpas? desta segunda-feira (19) os primeiros resultados da força-tarefa enviada à Sarandi, cidade vizinha de Maringá, para combater a criminalidade. Segundo ele, já foram presas 16 pessoas e 25 adolescentes foram apreendidos em apenas três dias de operação.

?O problema da criminalidade não é especificamente em Maringá, mas nas cidades vizinhas. Vamos reforçar o policiamento nestas áreas para que toda a região tenha mais segurança?, disse o comandante. A maioria das prisões foi por tráfico de drogas. Mais de 450 pessoas foram abordadas e cerca de 44 bares e 58 veículos foram vistoriados.

A força-tarefa foi enviada à região de Maringá por determinação do secretário da Segurança Pública Luiz Fernando Delazari. O grupo de policiais é comandado pelo Policiamento do Interior da Polícia Militar do Paraná, por meio do 4º Batalhão, em Maringá. Os policiais trabalham fazendo blitze e operações especiais em locais suspeitos para encontrar criminosos desde às 14h de quinta-feira (15).

A ação foi desencadeada após a reivindicação dos moradores de Maringá por mais segurança, motivados pela morte do empresário Rubens Orlandine, que foi assassinado após reagir a um assalto quando saía de sua loja, no último dia 10. A Polícia Civil de Maringá solucionou o homicídio do empresário em 72 horas de investigação.

?Foi um crime lamentável, que criou uma comoção na cidade inteira. O que queremos esclarecer à população é que Maringá está dentro do contexto dos investimentos deste Governo em segurança. Levamos várias viaturas, o Projeto Povo está em seis bairros e estamos investindo em policiamento. Além disso, a cidade apresenta um dos índices mais baixos do Brasil em homicídios. Temos o registro de 27 homicídios em um ano?, disse Delazari.